English

Controle de Qualidade

ControledeQualidadeA celulose da CENIBRA passa por um rigoroso processo de controle antes de seguir para o mercado. O Departamento de Controle de Qualidade, através de seus laboratórios específicos, atua nas áreas de insumos e produtos gerados, linha de fibras e produto acabado, monitoramento e pesquisa e desenvolvimento. Tudo isso para garantir uma das melhores celuloses branqueadas de fibras curtas de eucalipto do mundo.

Atividades dos Laboratórios do Departamento de Controle de Qualidade:

Insumos e produtos gerados

Monitorar e qualificar os insumos adquiridos para a reposição no processo fabril, tais como: sal grosso, enxofre, calcário, ácido sulfúrico, metanol, sulfato de alumínio e soda cáustica, assegurando que os parâmetros de especificações estejam dentro dos padrões pré-determinados.

Dentre os principais produtos gerados no processo fabril, estão: Licor de cozimento (licor branco), Licor extraído dos digestores (licor preto) e Licor de Recuperação (licor verde), Cal útil, Produtos químicos (dióxido de cloro, hipoclorito, soda cáustica e peróxido de hidrogênio), utilizados para o branqueamento da polpa marrom.

Vidrarias e soluções para análises

Monitorar e qualificar as vidrarias utilizadas para as análises do Laboratório Central (Departamento de Controle de Qualidade) e os 7 laboratórios de área (2 digestores, 1 caustificação, 1 planta química, 2 secagens e 1 florestal). Prepara e padroniza as soluções utilizadas nas análises dos laboratórios supracitados.

Linha de Fibras e Produto Acabado

Para que a operação tenha subsídios de efetuar cozimento dentro dos parâmetros especificados o Laboratório efetua análises do tipo: umidade, densidades, classificação do tamanho dos cavacos e teores de impurezas (tipo: lascas, cascas, nós e finos) de forma a assegurar a qualidade da polpa marrom na saída da depuração.

Linha de fibras

O cozimento e branqueamento precisam de informações contínuas sobre o processo para monitorar as condições operacionais. Para assegurar a qualidade da polpa, o Laboratório efetua análises do tipo: Nº kappa, viscosidade, alvura e feixes (polpa marrom e branqueada) e resíduos de produtos químicos dos estágios de branqueamento das 2 linhas de produção.

Produto acabado

Monitora, qualifica e classifica os produtos acabados (papéis tissue, imprimir & escrever) para melhor atender as necessidades dos clientes dentro de parâmetros de especificações técnicas em atendimento às exigências de mercado nacional, internacional e da norma ISO 9000.
Os parâmetros comerciais especificados são: alvura, viscosidade, sujeira (impurezas) e umidade. Para assegurar a qualidade das análises, o Laboratório participa anualmente de programas interlaboratoriais com Universidades (UFV), Entidades (IPT), outras empresas produtoras de celulose e clientes.

Monitoramento Ambiental

Para assegurar a qualidade da água superficial e dos lençóis freáticos do Rio Doce, que abastece a Estação de Tratamento de Água (ETA), o Laboratório possui um programa de monitoramento de 12 poços, sendo: 4 pontos na fábrica, 4 pontos no viveiro e 4 pontos no aterro industrial.

Qualidade do Ar

Monitorar a Qualidade do ar, através de análises especiais, tais como: materiais particulados em suspensão, partículas inaláveis, poeira sedimentável total, dióxido de enxofre (SO²) e outros gases (TRS) emitidos pelas chaminés das Caldeiras de Recuperação, Biomassa, óleo e Fornos de Cal.

Para os odores emitidos na atmosfera, conta com uma Rede de Percepção de Odor (RPO), que tem por objetivo monitorar e alimentar a empresa com informações que servirão de base para melhorias contínuas. Conta, também, com instrumentos analisadores de gases, dados gerados na estação meteorológica automatizada com programas de modelamento matemático e um grupo de pessoas residentes nas comunidades vizinhas treinadas para perceber e registrar odores dentro de um raio de ação de até 20 km da fábrica.

Qualidade do solo

Para assegurar a disposição e destino adequados dos resíduos sólidos evitando impactos ambientais no solo, todo e qualquer resíduo sólido antes de ser direcionado para o Aterro Industrial (Classe II) e/ou Aterro de Resíduos Perigosos (Classe I) são informados ao Laboratório para uma avaliação e definição do destino mais adequado.

Qualidade dos efluentes hídricos

O processo fabril ao produzir a pasta celulósica gera 2 tipos principais de efluentes: baixa carga e alta carga orgânica. Além das análises dos efluentes setoriais, efetua-se análises do efluente geral quanto: pH (6~9),Temperatura ( £ 40 ºC), DBO5 ( £ 60 mgO²/l), DQO (£ 353 mg O²/l), Cor, Sólidos Suspensos Totais (SST < 60 mg/l), AOX (< 0,6 kg/tSA), Fenóis (< 0,2 mg/l, Óleos e Graxas (< 20 mg/l) etc.

Estes efluentes setoriais e geral são avaliados quanto aos parâmetros legais exigidos nas condicionantes da Licença de Operação e em acordos, para assegurar o atendimento das exigências de Órgãos ambientais (FEAM, COPAM) e da norma ISO 14001.

Pesquisa e Desenvolvimento

Uma vez a cada ano, o Departamento de Controle de Qualidade elabora um plano de metas internas, com o objetivo de dar suporte técnico a melhorias contínuas no programa de integração Floresta & Indústria. Isso implica na qualidade dos produtos acabados para melhor atender as expectativas dos clientes. Os trabalhos técnicos são desenvolvidos para contribuir com a redução de custos operacionais, consumo específico de madeira, água industrial, produtos químicos e aditivos do processo.

Análises e avaliações periódicas das metodologias utilizadas para execução das análises são feitas através de workshops internos onde os Laboratoristas sugerem melhorias.