English

Produção de Mudas

ProducaodeMudas1A CENIBRA possui um dos mais modernos Viveiros Florestais do mundo, considerando as técnicas empregadas na produção de mudas de eucalipto por clonagem. Instalado em área de 40 mil m², próximo à Unidade Industrial da empresa, o complexo agrega o que de mais inovador e sofisticado existe hoje em termos tecnológicos. Conta com uma estrutura que permite controlar os fatores de produção, tais como temperatura, umidade, luz, nutrientes e água. O Viveiro permite a produção de mudas de qualidade superior e a custos ainda mais diferenciados.

Alta Tecnologia

O Viveiro foi projetado para a produzir mudas no processo de miniestaquia, que consiste na utilização das próprias mudas para a produção dos brotos a serem usados na formação de estacas. As mudas assim produzidas apresentam alto vigor da parte aérea e do sistema radicular. Cada fase do processo é monitorada para garantir a qualidade total do processo. Esses controles fazem parte dos procedimentos que seguem as normas das séries ISO 14000 e ISO 9000.

O Processo

A primeira etapa do trabalho realizado no Viveiro ocorre no Jardim Clonal. É lá que se encontram as minicepas, ou seja, as mudas de eucalipto oriundas de árvores superiores, conseguidas das brotações da cepa da árvore-mãe. O material é acondicionado em tubetes, preenchidos com substrato orgânico (basicamente composto por casca de arroz e de eucalipto e vermiculita) capaz de garantir às plantas condições nutricionais adequadas ao seu desenvolvimento.

O Enraizamento ocorre na Casa de Vegetação, onde os brotos colhidos das minicepas permanecem por um período aproximado de 24 dias. O material passa, então, por um período de sete dias no estágio de Sombreamento. Em seguida, as mudas são conduzidas ao Galpão de Seleção, onde são excluídas do processo aquelas que não apresentam as características de qualidade desejada.

Na sequência, permanecem por trinta dias na etapa de Crescimento e 20 dias na etapa de Rustificação, que permite um amadurecimento ainda maior das plantas, até chegar ao Viveiro de Espera, último estágio antes que as mudas sejam expedidas para o plantio no campo.

Inovações

O Viveiro Florestal apresenta uma série de inovações tecnológicas de engenharia e de processo, nas áreas do meio ambiente, saúde ocupacional, sistema de ferti-irrigação e automação, fundamentais para garantir a elevação dos níveis de qualidade da produção de mudas.

Meio Ambiente

A minimização dos impactos ambientais não desejados é garantida graças à incorporação de conceitos de reciclagem de água e nutrientes que evitam a contaminação dos cursos d’água e do solo. Todo o material é coletado e tratado antes de ser reutilizado no processo.

A água proveniente da lavagem dos tubetes, bandejas e tanques de adubos é recolhida em uma piscina impermeável e utilizada em plantios comerciais de eucalipto em torno do viveiro. A esterilização dos tubetes e bandejas é realizada com água quente, evitando-se o uso de agrotóxicos.

Saúde Ocupacional

A movimentação das mudas para o manejo no Viveiro é feita em mesas rolantes de aço inox, ergonomicamente construídas, até os galpões onde ocorre a maior parte do seu manuseio. Além de garantir significativa redução do esforço físico no transporte das mudas, as instalações permitem que os trabalhos sejam realizados em amplos galpões, protegidos dos rigores do sol e da chuva.

Um programa de ginástica compensatória, com exercícios leves e alongamentos, foi introduzido com a finalidade de prevenir a ocorrência de doenças ocupacionais, bem como elevar o nível de motivação e disposição dos trabalhadores.

Sistema de Ferti-Irrigação

O suprimento de água e nutrientes às mudas é feito por subirrigação, que consiste em fornecer água diretamente ao sistema radicular. Deste modo, faz-se uma irrigação mais uniforme das mudas, com redução da umidade das folhas, minimizando o aparecimento de doenças.

O inovador conceito da ferti-irrigação propicia ainda uma expressiva diminuição do consumo de água e fertilizantes, uma vez que os nutrientes e a água são aplicados conforme as necessidades das mudas em suas diferentes fases de desenvolvimento: produção de brotos, enraizamento, crescimento e rustificação.

Automação

Todas as etapas do processo de Irrigação – abastecimento dos tanques, injeção dos fertilizantes específicos para cada estágio do desenvolvimento das mudas, bombeamento de água com nutrientes até as mudas, filtragem e retorno da água utilizada até os tanques – são comandadas por um sistema totalmente automatizado.

Dados referentes ao consumo de água nas diferentes parcelas, assim como as ocorrências durante a irrigação, são registrados para análise. O controle da temperatura e umidade, fundamental para promover o enraizamento da miniestaca, também é comandada pelo sistema de automação que está acoplado a uma estação metereológica.